domingo, 8 de abril de 2012

Pobrezinho do coelhinho...


Nestes dias todos de páscoa aqui na internet, uma imagem me marcou: o coelhinho pregado na cruz. Vi muitas postagens no facebook e recebi algumas mensagens no e-mail. E olha que foi tão marcante que só hoje prestei atenção na frase que acompanhava o sacrifício do pobre bichinho: “Quem é o verdadeiro símbolo da páscoa para você?”.

Os radicais de plantão, mal podem esperar chegar o natal e a páscoa para soltar coisas deste tipo. E dá-lhe lenha no Papai Noel e ripa no coelho da páscoa!

Sim, é certo, ambos hoje são os legítimos representantes da propaganda em prol de maiores vendas, nestas épocas consideradas de “ouro” para o comércio em geral. Mas vamos ser justos, não nasceram assim. Nós é que os transformamos em tamanhos ícones do consumismo desenfreado.

E ontem, numa visita ao supermercado observei que ovos, coelhos e caixas de bombons estavam já em suas ultimas oportunidades de serem adquiridas. Quem levou antes lucrou, agora só restavam os “restos”. Os mais caros, é óbvio. Chegava a dar tristeza observar que daquela imensidão de chocolate ofertadas no começo da quaresma, ficaram só as armações vazias. Aí eu me pergunto, quem é que comprou tudo? Os ateus e agnósticos? Os não cristãos? Será que quem inventou de pregar o coelho na cruz comprou chocolate ou está fazendo jejum?

Uma coisa eu digo, o verdadeiro símbolo desta páscoa que está aí, para mim é o coelho. Aliás, nem é o coelho. É o elíptico OVO! Que causa uma confusão danada pros pais explicarem que não foi o coelhinho que botou. Se fosse pelo menos um ornitorrinco, este é mamífero e bota ovo...

Ora, deixemos de ser hipócritas! Os maiores incentivadores do consumismo somos nós mesmos.  Porque se não fosse assim, eu não compraria chocolate. Ou, se comprasse, seria pra distribuir para as crianças que nunca tiveram oportunidade de ganhar um ovo de páscoa.  Eu não fiz isso... Você fez?

A grande verdade disso tudo é que acabamos por misturar as coisas. A Páscoa de Cristo, a grande Ressurreição não tem nada a ver com o “cardápio” da páscoa. O chocolate, assim como o cordeiro e a colomba, não passam disso: cardápio da festa. Vamos parar de botar a culpa em quem não tem. Se as pessoas não vão à Igreja adorar a cruz, nem lembram da importância da ressurreição, o menos culpado disso é o coelho...

Angela Rocha

4 comentários:

  1. Angela,
    Que reflexão espetacular! Quem dera todos pudessem ter acesso a ela. Que o Espírito Santo continue te iluminando.
    Abraços,
    Catarina

    ResponderExcluir
  2. Feliz e abençoada Páscoa para você e sua família!
    Que a luz do Ressuscitado ilumine seu caminho, para que possas iluminar os caminhos daqueles que estão na luta pelo Reino.
    Na alegria da ressurreição,

    Catarina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Catarina! para você e usa família também... que a páscoa seja o início de um tempo memorável, que saibamos discernir aquilo que é importante, que saibamos dar o verdadeiro valor ao sacrifício feito por nós na cruz! Um grande abraço!

      Excluir
  3. Que Deus te abençoe Angela!

    Aproveito para divulgar meu blog, que estou construindo para alertar a todos sobre os perigos do Espiritismo.

    http://www.espiritismonao.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir