quarta-feira, 16 de maio de 2012

Os desafios da quarta-feira



Houve um tempo em minha vida em que as quartas-feiras eram mágicas! Saborosas até! Era um dia especial em que eu me preparava com afinco. Quem me lê aqui pela internet há mais de dois anos, sabe o porquê...

Sempre dediquei as minhas quartas-feiras a uma missão. Desde meu primeiro ano nela em 2006... Era o tempo que eu tinha e o dia que eu tinha. E com o passar dele virou um dia especial: era o DIA DE CATEQUESE. Neste dia eu não marcava nada, jamais viajava e muito trabalho eu deixei pra depois. E, por mais que eu preparasse e planejasse tudo em outros dias, era aquele, o dia “mágico”. O dia do “encontro”. Nunca me senti cansada, desanimada ou estressada pra ele. Muitas vezes fui, confesso, angustiada... por não saber como ia ser recebida, como agir ou o que fazer diante dessas muitas contrariedades que aparecem na missão da gente. Mas, mesmo isto, me desafiava.

E também terminei muitas quartas-feiras frustrada... Por achar que não atingi meu objetivo ou por ser incompreendida de alguma forma. Também chorei muitas quartas-feiras. Mas bastava uma “passadinha” num lugar especial, dobrar os joelhos em frente a “Ele” e... pronto! Lá estava minha coragem, meu ânimo de volta. E idéias! Luminosas, divinas, inspiradas... E eu mal podia esperar pela próxima quarta-feira!

Não sei se por uma dessas incríveis coincidências da vida ou por desígnio Dele mesmo, mas, apesar de estar afastada da catequese desde o ano passado, as quartas-feiras ainda são “Dia de Catequese” aqui na minha casa. É pra lá que minha filha vai toda quarta-feira. Está no último ano da catequese de Crisma. E até pouco tempo atrás, este era um “caminho” que fazíamos juntas. No ano passado dediquei minhas tardes de quartas-feiras a esperar minha filha no pátio da Igreja. E os bancos debaixo das figueiras bravas, são testemunhas da minha dor... Dor por ser só uma espectadora daquilo que considero o meu palco. Onde tantas vezes fui protagonista e ativa participante.

E por mais que eu pergunte a Jesus porque Ele me “chama” e a Igreja Dele não, eu não tenho resposta. Mas são os caminhos que tenho que percorrer. No devido tempo, sei que a terei.

Este ano, morando um pouco mais perto da Igreja, minha filha faz o caminho sozinha. E já nem assisto mais o vai e vem de crianças, catequistas, mães... Mas a quarta ainda é, e muito, desafiante. Minha filha, agora adolescente, já não vai mais pra catequese, com tanto gosto. E é uma luta enorme, desde a hora do almoço até as duas horas, convencê-la de que vai ser “legal”, vai ser “bom”, que preguiça é uma coisa “feia”, que Deus precisa pelo menos dessa horinha para “falar” com ela. São as mensagens Dele, o conhecimento da Igreja de Jesus, coisas que ela precisa TER! E não é fácil! Fico imaginando, agora no papel de mãe, o quanto a catequista da minha filha deve esfolar o joelho pedindo coragem em frente ao sacrário!

E na volta, quando pergunto, “E aí, como foi?”, e a resposta não passa de um breve “Bom”. E me frustro... Eu queria que esse bom, fosse mais que bom! E me frustro mais ainda quando penso que não posso fazer nada pra isso mudar... Sou só uma mãe agora.

Ângela Rocha

2 comentários:

  1. Olá querida Angela, acalme esse coração minha amiga. Ser mãe é só para as fortes...rs (Vou fazer uma imagem com essa frase para o facebook).
    Tá achando que a nossa missão é menor por estarmos nos bastidores? Vamos continuar nossa caminhada preparando quem prepara nossas crianças!
    Beijão!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita minha amiga! Taí porque amo você de montão! rsrsrs...

      Excluir