quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Itinerário Catequético



“A Catequese é em processo dinâmico e abrangente de educação da fé, um itinerário, e não apenas uma instrução.” (CR 282).

O que seria afinal esse “Itinerário”?

Numa definição genérica, itinerário é a descrição de um trajeto a ser percorrido. Por exemplo: uma empresa de ônibus urbanos ao definir o itinerário de determinada linha, indica todos os pontos de parada do ônibus desde o início até o fim da linha. A esta indicação dá-se o nome de itinerário. Já um itinerário de turismo é um pouco mais elaborado: é um artigo que descreve uma rota por vários destinos ou atrações, dando sugestões de onde parar, o quê ver, como preparar-se, etc. Se a gente considerar os destinos como pontos em um mapa, o itinerário descreve uma linha que conecta os pontos.

Agora vamos considerar esta palavra na CATEQUESE.

“Um Itinerário Catequético é um circulo mais ou menos prolongado de encontros que integra uma ou várias temáticas (etapas, módulos, blocos) do mistério dentro do processo. Neste itinerário se inclui os conteúdos, as celebrações litúrgicas, a catequese mistagógica, a integração entre a comunidade e o compromisso apostólico.” Eu acrescentaria aqui ainda a dimensão família.

Isso significa que um itinerário é um PLANEJAMENTO, um mapa, um guia do caminho a ser percorrido. No caso da catequese, ele prevê objetivos a serem atingidos, conteúdos que serão explanados, ações transformadoras que se pretende e as dimensões celebrativas que darão suporte à catequese mistagógica.  

Assim temos que, uma simples instrução, é chegar e expor o conteúdo, sem ligação ou compromisso com as ações transformadoras e com a dimensão litúrgica da catequese, não se envolve a comunidade ou a família. Em contraponto, o Itinerário prevê as conseqüências do que se ensina, na vida e na missão do catequizando, como isso será percebido e colocado em prática.

Falando mais na prática, um itinerário catequético PRECISA observar os seguintes pontos: primeiro observar a quem ele se destina (crianças, adolescentes, jovens, adultos, deficientes...); em seguida ver os objetivos da catequese (Sacramentos, formação cristã... ); verificar por fim, o tempo que demanda esta ação e a preparação dos “guias” (catequistas, introdutores) que irão trabalhar na condução do processo. Só aí então, construir o “roteiro/itinerário”, observando o seguinte:

- Conteúdos (temas e formação bíblica);
- Celebrações litúrgicas e mistagógicas (missas, entrega de símbolos, retiros, orações, Via sacra...);
- Vivencia comunitária (família, comunidade, festas, sociedade);
- Dimensão missionária (compromisso apostólico).

Enfim, o Iitnerário descreve o que se fará, EFETIVAMENTE, para se trabalhar o processo catequético, o "como" chegar a cada um dos objetivos (pontos), que se pretende, ou seja, o ensino da fé e a vivência cristã  eclesial.

Ângela Rocha
angprr@uol.com.br

 

3 comentários:

  1. Angela, tudo bem com você?
    Essa postagem, ou melhor, esse texto será nosso ponto de partida para modificarmos nossa catequese para 2013. Estamos planejando com muita cautela, queremos evangelizar nossas crianças e com isso atingir as famílias que serão nosso alvo daqui para frente.
    No seu roteiro este aqui:
    - Conteúdos (temas e formação bíblica);
    - Celebrações litúrgicas e mistagógicas (missas, entrega de símbolos, retiros, orações, Via sacra...);
    - Vivencia comunitária (família, comunidade, festas, sociedade);
    - Dimensão missionária (compromisso apostólico).
    1 - Vamos planejar os temas dos encontros a serem trabalhados com as crianças e jovens, e montar um planejamento de temas para reunião de pais, o nosso auxílio para as ideias desses temas será muita pesquisa e o auxílio do divino espírito santo.
    2 - Nas celebrações, estamos pensando em levar nossos catequizandos a participar dos momentos da missa: entrada da bíblia, dança do louvor, coralzinho, evangelho encenado. Essa ideia surgiu por que pensamos assim, se as crianças tem alguma participação nas missas, por consequência os pais os acompanharão, então a aproximação da família na missa poderá aumentar (vamos rezar para que aconteça isso).
    3 - Estamos também planejando algo para levar a catequese mais próxima da sociedade, como por exemplo ajudar o asilo que no qual está passando por dificuldades, rezar na casa de pessoas enfermas, enfim, algo que estamos acostumados fazer mas agora iremos fazer com mais frequencia.
    4 - E por consequência disso tudo iremos rezar e lutar para que nasça de fato o compromisso no coração das pessoas que estiverem em nossa volta.
    Obrigado por partilhar suas ideias.
    PAZ E LUZ!

    ResponderExcluir
  2. Angela, em nossa última reunião para avaliação da catequese e propostas para 2013, observei que a reclamação foi geral sobre a falta de participação dos pais e interação com o projeto catequético. e as propostas para o no vindouro é justamente procuar formas de tornar essa catequese mais atraente tb para os pais. Muito do que o Jonathan propos no seu comentário, já efetuamos aqui. Mas tudo no papel é muito bonito e realizável. a prática nos mostra o contrário. Como vc disse, descreve-se o que será trabalhado "efetivamente" e como atingir os objetivos, mas o resultado é apenas parcial.
    Porquê? São tantas as barreiras a vencer...

    ResponderExcluir
  3. Amei seus comentários! Tanto é que até coloquei lá no facebook..

    ResponderExcluir