quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Um pouco decepcionada...

Sabem por que ando meio quieta ultimamente?

Um pouco é por falta de tempo... O outro “muito” é porque ando decepcionada...
Andei empregando meu tempo em coisas que não trouxeram muito resultado...

E é difícil lidar com a decepção. Na verdade é... frustrante, triste e... “esmagador”! Mas eu já tive decepções antes. Até aí, nada de novo. As pessoas costumam me decepcionar com freqüência. E nem por isso eu perco a minha fé na humanidade. “O homem é capaz de Deus...”. Incrível, mas eu ainda acredito nisso!  Mas, às vezes, essa crença é colocada a provas dificílimas! Como é o caso das minhas tentativas de dar “formação” aos catequistas.

Sou catequista só há seis anos. E podem até dizer que nem tenho experiência bastante para dar qualquer palpite sobre o que quer que seja, haja vista que tem gente com mais de 30 anos que não se atreve a dizer o que quer que seja. Mas acredito que, por tudo que sei e aprendi neste pouco tempo, posso dar uns “pitacos” de vez em quando...

Enfim, quando comecei na catequese percebi, quase que imediatamente, que não sabia absolutamente NADA! Que não tinha preparo pedagógico para “conduzir” ninguém. Que não tinha conhecimento da Doutrina, do Magistério e nem de Bíblia para ensinar ninguém. Só tinha comigo fé em Deus e minha crença no projeto de Jesus Cristo para os homens. E também, claro, o Espírito Santo, que nos dá a coragem para enfrentar todos os desafios. Mas, sinceramente, nenhum dos entes da Trindade pode fazer o conhecimento de todas essas coisas, entrarem na cabeça da gente por “encanto”. Não se aprende por “osmose”. Você não se “mistura” ao que está escrito num livro só por segurá-lo. É preciso lê-lo! E nem tampouco, pelo método da “tentativa e erro”.

E por acreditar nisso sempre me dispus a “aprender”. E não tenho feito outra coisa nestes últimos seis anos. E neste caminho de aprendizado fiz todas as formações que pude, assisti a todas as palestras e fui a todos os encontros que estavam ao meu alcance. Sem falar no quanto li e pesquisei na internet. E não acho que perdi tempo nisso ou deixei de dedicar um minuto que fosse aos outros afazeres da minha vida. Minha família nunca se sentiu “roubada” de mim pela minha dedicação à catequese. Tudo é uma questão de “organização”. Todos os momentos da nossa vida são preciosos e se soubermos organizá-los, sobra tempo para tudo. Inclusive para uma boa leitura. E depois que “aprendi” o suficiente e vi as dificuldades que os catequistas enfrentam, me dispus a “ensinar”. Por isso investi numa pós-graduação em catequética e passei a me “formar” para poder “formar”. E nem por isso me considero “preparada”! Há muito ainda para ler, aprender e vivenciar.

E a minha grande decepção com os catequistas de maneira geral é que parece que a maioria não quer “saber” nada! É visível que a maioria não consegue freqüentar as formações oferecidas pelas paróquias e que as paróquias têm dificuldades em oferecê-las. Mesmo as noites ou finais de semana, nunca se mostraram, seguramente, um tempo que pudesse ser “aproveitado” para formações. Sempre há alguma coisa: escola, faculdade, namorado, marido, filhos, casa... E por falta de “quorum”, os párocos não investem muito nisso. Sabem o que penso disso? Um incrível e inadmissível falta de organização! Mas vamos resolver isso...

E descobri a “pólvora” novamente! Pensei em lançar formações via internet. Claro! Pode-se disponibilizar conteúdo e o catequista pode ler quando puder, pode fazer as atividades em seus momentos raros de ociosidade. E não precisa ficar longe de casa nem da família. E também não tem ônus nenhum, não custa nada! Quase todo mundo tem acesso á internet hoje em dia.

Então encontrei eco dos meus sonhos em outra sonhadora e montamos nosso grupo de estudo. Tivemos mais de 150 inscritos na primeira formação. Maravilha! Só que... Descobri que catequistas NUNCA tem momentos de ociosidade. Cada minuto do seu dia já está ocupado com alguma coisa. Nem me atrevo a adivinhar como ele encontra tempo para “ser” catequista...

E lá pelo meio do primeiro mês começaram as desistências, alguns tiveram a gentileza de nos comunicar, outros nem isso. No final, 20% dos inscritos terminaram a primeira parte do estudo no prazo. E sinceramente, nem sei quantos destes chegarão ao término da segunda parte! Nem as formações paroquiais, que são presenciais, têm tão baixo índice de perseverança.

E também não passou pela cabeça de nenhum dos catequistas que nos abandonou no meio do caminho, o trabalho que isso deu pra gente. Montar um grupo, cadastrar cada um dos e-mails, responder a cada uma das mensagens enviadas, resumir o material, estudar para se aprofundar-se no assunto e assim, poder fazer uma boa assessoria... Não. Acho que não está no perfil de muitos “catequistas” as palavras “respeito” e “valorização”. Estou começando a dar razão aos párocos por não oferecer muita formação...

E cheguei à conclusão de que o problema não é o tempo...

Formação via web: fracasso quase total!

Seria uma questão de “nível”? Não. Li recentemente um texto de Pe. Zezinho que me provou que não é bem esta a questão. O conteúdo da formação é matéria que todo catequista deve conhecer. Fui muito exigente? Absolutamente! É inadmissível que catequistas não consigam ler um texto e interpretar. Como lêem as Escrituras? Como interpretam e ajudam os catequizandos a interpretar? Como falam da Igreja Católica sem conhecê-la?

Bom, entre acreditar que esta é uma das causas de tanta “evasão” em nossa Igreja, prefiro pensar que a é culpa destes novos tempos. Nossos catequistas estão muito bem formados ou, então, não precisam mesmo de formação. No final, o Espírito Santo deve acabar dando jeito nisso.

Em tempo: Não desisti não! Estou aqui tentando... ainda. Em janeiro, Módulo III dos “Documentos eclesiais e a catequese”. Aos meus perseverantes alunos, muito obrigado por me acompanharem nesta jornada. Claudinha, força aí! Não me abandone!

Ângela Rocha

4 comentários:

  1. Olá Angela,
    Não pense que a formação via web foi um fracasso, pois não foi, pelo menos pra mim o os outros que fazem parte desses 20% q ficaram até agora. Entendo exatamente o que vc diz, pois na minha comunidade eu tb me senti fracassada, e olha que são apenas 12 catequistas. Fiquei muito feliz quando encontrei essa formação, enquanto pesquisava blogs sobre catequese, vi uma oportunidade única para os catequistas da minha comunidade, porém, o que eu não sabia, assim como vc, é que seria tão dificil colocar a formação em prática com todos. Dos 12 catequistas apenas 5 puderam se reunir comigo para estudar, e mesmo assim praticamente no ultimo minuto do segundo tempo. Eu também imaginei que por ser on line, os catequistas teriam mais facilidade pra estudar, mas ao contrario, eu só recebia deles as informações de que não leram os emails e textos pq não tinham tempo, tinham a faculdade, o trabalho, a familia, o namorado pra cuidar e não sobrava tempo pra estudar. E não é assim só com essa formação não, assim são as reuniões mensais, as missas da catequese, e outras atividades da Comunidade. Ano que vem eu deixo a coordenação da pastoral da comunidade, com o sentimento de fracasso tb, acho que poderia ter feito mais e melhor, eu dediquei horas de estudo, pesquisa, leitura, e não consegui transmitir quase nada que aprendi por causa da "falta de tempo" de todos. Enfim, acabei desabafando um pouco aqui, mas acredite que vc está fazendo um trabalho maravilhoso! Lembre-se que "muitos são chamados, mas poucos são escolhidos".
    Abçs.
    Obs. Não vou te abandonar viu! rsrs

    ResponderExcluir
  2. Angela te peço desculpas por estar neste grupo que lhe causou decepsão pois também desisti...Tentei por diversas vezes me cadastrar mas não consegui, pedi ajuda a meus filhos,mas estavam sem tempo. DE inicio achei que fosse usado o meu próprio email. Preciso fazer umas aulinhas pra melhorar meu desempenho na net.Talves as outras pessoas tiveram a mesma dificuldade. Mas uma vez minhas desculpas a todos os envolvidos com o trabalho e não desistam de nós.Que Deus os abençõem.

    ResponderExcluir
  3. Oi queridona, não desisto não!
    Estou aqui firme e forte!
    Amiga lembre-se que a obra é de Jesus,e como nos lembrou a Eloísa no comentário acima: muitos são chamados...
    Este ano também levei uma ducha fria... a minha coordenadora de catequese acha que eu invento demais...é mole? Ontem já fui a uma reunião e ano que vem vou trabalhar com a Infância Missionária, uqe por sinal tem uma coordenadora que adora invenções....rs
    Fique com Deus!

    ResponderExcluir
  4. Força querida,nós os 20% precisamos de você e que venha o Módulo III....você não imagina como estou gostando, como me está sendo útil.
    Abraços e fique com Deus!
    *_*

    ResponderExcluir